Num dia triste para os portugueses. . .

11 comentários:

JotaB disse...

Permita-me que deixe aqui a última crónica de Henrique Neto, publicada no Jornal de Leiria (um dos jornais da "nossa" terra):

Watergate à portuguesa

Quanto mais José Sócrates
e os seus seguidores
procuram
inventar razões para
iludir a realidade
expressa nas escutas
publicadas pelo jornal o “Sol”,
fazendo passar por burros os
portugueses que lêem jornais,
mais se afunda, num sintoma
seguro da sua própria impreparação
para o lugar que ocupa.
De facto, a única forma que
José Sócrates teria de convencer
alguém de que não foi ele
que organizou o assalto a alguns
meios de comunicação, seria
distanciar-se dos seus protegidos
e condenar a sua actuação
como inaceitável num regime
democrático. Ora, se não o faz,
lá terá as suas razões, porventura
porque não o pode fazer,
na medida em que correria um
risco excessivo de algum deles
não assumir a culpa e contar
a verdade toda. Compreende-se,
por isso, que o primeiro
ministro queira ganhar algum
tempo e, fiel ao seu carácter,
acuse os adversários das malfeitorias
que ele próprio originou.
Aparentemente, não lhe
passa pela cabeça que a história
humana está cheia de “crimes”
como o do jornal Sol, crimes
que tempo depois são elevados
à categoria de serviço
público. Aliás, existem casos
recentes e as semelhanças com
o caso Watergate, que conduziu
à demissão do presidente
Nixon, são por demais evidentes.
Recordemos que os dois
jornalistas do Washington Post,
que foram igualmente acusados
pela Casa Branca de jornalismo
de buraco da fechadura,
acabaram a ganhar o prémio
Pulitzer e Nixon morreu
só e renegado.
Relevante, neste caso, é a
posição assumida pela PT através
de Henrique Granadeiro que
se assumiu “encornado”, suponho
que pelos seus colegas de
Administração lá colocados pelo
Governo. Como relevante é a
hipótese, por ele colocada, de
convocar uma Assembleia Geral
para discutir o caso. Trata-se
do mínimo que os accionistas
podem pedir, na medida que a
demissão dos administradores
envolvidos parece ser a única
forma da PT se afastar da embrulhada
em que se meteu, ou a
meteram. Há ainda que esclarecer
essa parte da história. De
qualquer forma, pessoalmente,
como pequeno accionista da
empresa, gostaria de ver aqueles
administradores que pretendem
manter os seus pergaminhos
profissionais, a condenar
o envolvimento do nome
da PT em negócios que só podem
contribuir para o seu desprestígio
e para o prejuízo dos accionistas.
É, também, o mínimo
exigível.
(continua)

JotaB disse...

Igualmente, não me parece
que o Millennium BCP possa
fazer de conta de que nada se
passou, nomeadamente depois
das histórias havidas com a
anterior Administração e da
intervenção então assumida pelo
Banco de Portugal. O BCP necessita
urgentemente de mostrar
que as infelizes intervenções do
seu administrador, descritas nas
escutas, foram de conta própria
e que a instituição não pretende
conviver com isso. De contrário,
correria o risco de dar
como aceite a ideia, que há
muito anda no ar, de que a actual
administração seria um produto
politicamente controlado pelo
Governo. Ou seja. o BCP teria
deixado de ser uma empresa
controlada pelos seus accionistas.
Recordemos, a esse propósito,
que o Administrador em
causa fez o pleno da ligação
entre os negócios da sucata e
os negócios da comunicação
social, que, supõe-se, não eram
tratados no Conselho de Administração.
Há pois que deixar
claro que este é o tipo de situações
em que o Millennium BCP
não se pode envolver, nomeadamente
nas actuais circunstâncias
financeiras do País e
quando o Banco pretende recuperar
o seu prestígio e rentabilidade.
Finalmente, a ideia da moção
de censura é, nas actuais circunstâncias,
tão patética que
não merece comentário, mas
revela a qualidade dos socialistas
que rodeiam o primeiro
ministro. Como diria alguém,
com tais amigos José Sócrates
e o PS não precisam de inimigos.
Na prática, escancararam
o caminho para, dentro de seis
meses, depois do PS e do primeiro
ministro serem queimados
em lume brando, as oposições
juntas enviarem José
Sócrates de volta para as Beiras.
Não há paciência. _
Crónicas sobre o futuro
HENRIQUE NETO,
empresário
netohenrique8@gmail.com
A única

João António disse...

JotaB
Os seus comentários serão sempre bem vindos aqui à "Tasca".

Daniel Santos disse...

Boa escolha.

João António disse...

Daniel Santos
Uma que gosto das várias opções para a ocasião.

Táxi Pluvioso disse...

Mas há dias tristes em Portugal... apesar de o dia, em que levei uma tampa, de uma loira bombástica, não ter sido muito lá alegre. E, alegre, faz-nos lembrar um derrotado, um que já o seu tempo passou... boa semana

João António disse...

Táxi Pluvioso
Concordo com o frase sobre o Alegre. Agora a loira é uma situação bem mais dramática !

Ferreira-Pinto disse...

Loiras só dentro de embalagem de vidro! :)

lusibero disse...

JOÃO ANTÓNIO: música mais que apropriada. LINDA!
UMA homenagem sentida pelas vítimas da catástrofe madeirense e pela própria ilha.
BEIJOS DE
LUSIBErO

João António disse...

Ferreira-Pinto
É uma opção com lógica !

João António disse...

lusibero
Obrigada Maria Ribeiro.