O SUBSÍDIO DE NATAL OU 13º MÊS NUNCA Existiu...

 

Os trabalhadores ingleses recebem os ordenados semanalmente! Mas há sempre uma razão para as coisas e os trabalhadores ingleses, membros de uma sociedade MAIS crítica do que a nossa, não fazem nada por acaso!
  Lembrando que o 13º MÊS em Portugal foi criado logo depois do 25 de Abril de 1974 no governo de VASCO GONÇALVES e que nenhum governo depois do dele mexeu nisso, falava-se agora que o governo poderia vir a não pagar aos funcionários públicos o 13º mês ou subsídio de natal.Se o fizessem, seria uma roubalheira sobre outra roubalheira.
  O 13º mês é uma das mais escandalosas de todas as mentiras dos donos do poder, quer se intitulem "capitalistas" ou "socialistas", mas é justamente naquela em que os trabalhadores mais acreditam.
  Eis aqui uma modesta demonstração aritmética de que nem sempre o que parece é...
  Suponhamos que você ganha €700,00 por mês. Multiplicando-se esse salário por 12 meses, você recebe um total de €8.400,00 por um ano de doze meses.
€700,00 X 12 = € 8.400,00
  Em Dezembro, o generoso governo manda então pagar-lhe o conhecido 13º Mês
€ 8.400,00 (Salário anual) + €700,00 (13º salário) = € 9.100,00 (Salário anual + o 13ºMês)
  O trabalhador vai para casa todo feliz com o "governo amigo dos trabalhadores" que mandou o patrão pagar o 13º.
  Agora veja bem o que acontece quando o trabalhador se predispõe a fazer uma simples conta que aprendeu no Ensino Fundamental:
Se o trabalhador recebe €700,00 mês e o mês tem quatro semanas, significa que ganha por semana € 175,00.
  € 700,00 (Salário mensal) e 4 (semanas que tem o mês) = € 175,00 ( De salário semanal)
  O ano tem 52 semanas. Se multiplicarmos € 175,00 (Salário semanal) x 52 (Número de semanas anuais) = € 9.100,00.
  O resultado acima é o mesmo valor do Salário anual + o 13º salário .
  Surpresa, surpresa? Onde está, portanto, o 13º Salário?
  A explicação é simples, embora os nossos conhecidos líderes nunca se tenham dado conta desse simples facto. A resposta é que o governo, que faz as leis, lhe rouba uma parte do
salário durante todo o ano, pela simples razão de que há meses com 30 dias, outros com 31 e também meses com quatro ou cinco semanas (ainda assim, apesar de cinco semanas o governo só manda o patrão pagar quatro semanas) o salário é o mesmo tenha o mês 30 ou 31 dias, quatro ou cinco semanas.
  No final do ano o generoso governo presenteia o trabalhador com um 13º salário, cujo dinheiro saiu do próprio trabalhador.
  Se o governo retirasse o 13º salário ou subsídio de natal dos trabalhadores da função pública, o roubo seria duplo.
  Conclusão:
  Os Trabalhadores recebem o que já trabalharam e não um adicional... 13º NÃO É PRÊMIO, NEM GENTILEZA, NEM CONCESSÃO. É SIMPLES PAGAMENTO PELO TEMPO TRABALHADO NO ANO!
E EU QUE NUNCA TINHA PENSADO NISSO .....   
       (De :Leonel Fonseca   Bulletin from the cause: Portugal governado por incompetentes)

7 comentários:

Campista selvagem disse...

As contas feitas dessa maneira dão estes resultados, no entanto os acordos com as entidades patronais não se condicionam a semanas, mas meses, é verdade que nós fasemos as contas aos dias que trabalhamos o que leva a estes desencontros de berbas.
(Temos que reparar que os contratos tanto a prazo como a termo certo são feitos quase sempre anuais, ou no minimo semestrais, quando os decimo terceiro m~es foi instituido já os anos/meses tinham os mesmos dias, se alguém roubou alguèm foi antes não após)

João Afonso Machado disse...

E por cá, se o pagamento fosse semanal, pouco sobraria no domingo à noite...

Daniel Santos disse...

num sei... é uma forma de ver as coisas.

João António disse...

Campista selvagem
no mínimo durante

João António disse...

João Afonso Machado
Assim ao dia 15 já não há guita ...

João António disse...

Daniel Santos
mas bem real !

Poison disse...

Vão aprender a fazer contas... estas estão mal feitas e partem de permissas erradas.
Começa logo mal a dizer que um mês tem 4 semanas... errado... se assim fosse 12 meses teriam 48 semanas e nós sabemos que um ano tem 52 semanas e não 48. A partir daqui está tudo errado até porque depois quando é a multiplicar o trabalho feito pelo trabalhador já se multiplica por 52... em que é que ficamos.
Em vez de complicarem tudo basta dividirem 365 dias do ano por doze meses e descubrir que afinal os meses têm em média 30,4 dias e é por isso que se considera 30 dias por mês em termos de contratos laborais. Por isso quem ganha 700€/mês ganha 23€/dia real. Se este valor for multiplicado por 365 dias dá 8395€... ou seja... ainda dá menos 5€ do que o sr. do texto escreveu. Para 9100€ vão 705€ que é o valor real do subsidio... utilizando amesma lógica.
Mas pelos visto é muito fácil arranjar umas contas confusas e convencer muita gente... quem escreveu isto deve ser politico.